quarta-feira, 25 de maio de 2011

Resenha - O Símbolo Perdido


Livro: O Símbolo Perdido
Autor: Dan Brown
Editora: Sextante

Sinopse:
Depois de ter sobrevivido a uma explosão no Vaticano e a uma caçada humana em Paris, Robert Langdon está de volta com seus profundos conhecimentos de simbologia e sua brilhante habilidade para solucionar problemas.

Em O símbolo perdido, o célebre professor de Harvard é convidado às pressas por seu amigo e mentor Peter Solomon - eminente maçom e filantropo - a dar uma palestra no Capitólio dos Estados Unidos. Ao chegar lá, descobre que caiu numa armadilha. Não há palestra nenhuma, Solomon está desaparecido e, ao que tudo indica, correndo grande perigo.

Mal'akh, o sequestrador, acredita que os fundadores de Washington, a maioria deles mestres maçons, esconderam na cidade um tesouro capaz de dar poderes sobre-humanos a quem o encontrasse. E está convencido de que Langdon é a única pessoa que pode localizá-lo.

Vendo que essa é sua única chance de salvar Solomon, o simbologista se lança numa corrida alucinada pelos principais pontos da capital americana: o Capitólio, a Biblioteca do Congresso, a Catedral Nacional e o Centro de Apoio dos Museus Smithsonian.

Neste labirinto de verdades ocultas, códigos maçônicos e símbolos escondidos, Langdon conta com a ajuda de Katherine, irmã de Peter e renomada cientista que investiga o poder que a mente humana tem de influenciar o mundo físico.
O tempo está contra eles. E muitas outras pessoas parecem envolvidas nesta trama que ameaça a segurança nacional, entre elas Inoue Sato, autoridade máxima do Escritório de Segurança da CIA, e Warren Bellamy, responsável pela administração do Capitólio. Como Langdon já aprendeu em suas outras aventuras, quando se trata de segredos e poder, nunca se pode dizer ao certo de que lado cada um está.

Nas mãos de Dan Brown, Washington se revela tão fascinante quanto o Vaticano ou Paris. Em O Símbolo Perdido, ele desperta o interesse dos leitores por temas tão variados como ciência noética, teoria das supercordas e grandes obras de arte, os desafiando a abrir a mente para novos conhecimentos.


Hoje trago a resenha de mais um livro daquele autor odiado por muitos, adorado por tantos outros (eu inclusa! \o/): Dan Brown. Há os que não gostam de seus livros por razões religiosas, e, outros, afirmam que seus mistérios são previsíveis. Mas, na minha opinião, Dan Brown é absolutamente genial. Ele possui uma capacidade invejável de prender o leitor de forma viciante por mais de 400 páginas de texto, além de ser notoriamente dono de um conhecimento vasto em diversas áreas como simbologia, artes, física, religião, computação, Noética, dentre inúmeras outras. E é isso o que eu considero mais admirável nele como escritor: a dedicação que ele visualmente concentra em pesquisas e estudos para suas histórias.

O Símbolo Perdido mergulha no mundo secreto da Maçonaria, novamente tendo a simbologia como seu carro-chefe. Pudera, já que o protagonista deste livro é o já conhecido de outras obras (Anjos e Demônios e O Código da Vinci) simbologista e Professor de Artes Robert Langdon. Confesso que o cenário dessa nova história, a primeira vista, me fez torcer o nariz: depois de descrições de tirar o fôlego sobre lugares como França (em especial o museu do Louvre), Vaticano, Espanha, Japão e mesmo o exótico Polo Norte, Dan Brown vem escrever um livro ambientado em... Washington? Porém, foi uma surpresa agradável descobrir tantos detalhes fascinantes da arquitetura e história mística e simbólica da capital americana. Nesse momento, vivi um súbito arrependimento por não ter comprado o livro ilustrado (que era “míseros” trinta reais a mais que o normal), junto a um desejo enorme de que transformem esse enredo em filme para que eu possa VER tudo isso.

O livro é extenso – mais do que os outros de mesma autoria – e contém os mesmos elementos que já consagraram o autor: mistérios, códigos a serem quebrados, vilões fanáticos com mentes doentias e, claro, muita gente morrendo “de bucha”, como costumo brincar. Sim, porque com o Dan Brown, o seu maior perigo é de se cativar por algum coadjuvante, já que muitos deles vão morrendo pelo caminho (quase sempre os meus preferidos, diga-se de passagem). Como sempre, também, há um casal de protagonistas vivendo as tensas e arriscadas horas contadas em pouco mais de quatrocentas páginas – já que os livros do Dan Brown são sempre narrando os acontecimentos de uma noite, ou de um número específico de horas, nunca mais do que isso. Depois de ter como pares femininos a francesa Sophie Neveu (Código da Vinci) e a italiana Vittoria Vettra (Anjos e Demônios), dessa vez as aventuras de Robert Langdon são ao lado de uma mulher mais madura que as outras duas: a americana Katherine Solomon, irmã de Peter Solomon, uma cientista que investiga o poder que a mente humana tem de influenciar o mundo físico. O objetivo: salvar Peter, que é mantido refém pelo maníaco auto-nomeado “Mal’akh”. Este acredita que há escondido em algum lugar de Washington um mistério secreto capaz de dar a quem o encontre sabedoria e poderes sobre-humanos.

Em meio a tudo isso, há outros personagens como Warren Bellamy, arquiteto (diretor) do Capitólio e irmão maçom de Peter, e Inoue Sato, autoridade da CIA que insiste na ideia de que o misterioso Mal’akh e suas atitudes são uma questão de segurança nacional. E passamos o livro quase todo sem sabermos ao certo de que lado esses dois personagens realmente estão.

Em resumo, gostei bastante do livro. Para quem quiser ler, recomendo a leitura prévia de Anjos e Demônios e O Código da Vinci, apesar de ser perfeitamente possível acompanhar o livro sem ler as aventuras anteriores de Robert Langdon, acho que fica mais interessante para quem conhecer as citações feitas aos livros anteriores.


PS: Enquanto procurava a imagem da capa do livro pra ilustrar o post, vi a notícia de que O Símbolo Perdido - O Filme já está sendo filmado, e estréia em maio de 2012. Adorei! =)

14 comentários:

Raphaela disse...

Dan Brown: odeie ou ame! hahaha

Confesso q nao sou mto fa dele, comecei por O Codigo da Vince, mas achei cheio de enrolação, sabe? hahahaha
Mas isso já faz anos e me pergunto sempre: será que eu nao estava preparada pra leitura na epoca?
Enfim... preciso tentar reler, ou começar a ler outro dele.

Pelo que vc falou é melhor eu ler outros antes de ler este da resenha, né?
Vou tentar hehehe

Beeijos
Rapha ~Doce Encanto

Josy-chan disse...

Tipo, eu acho que cada um tem um gosto. Mas, eu preciso malhar um pouco quem não curto.. rsrsrs

Não ligo a minima para o quesito religiao de Dan, pois como entendo de teologia, sei que os argumentos religiosos dele são mto ridiculos... tipo, facilmente replicados por qualquer pessoa que conhece um minimo de Biblia...

Mas...

O que eu realmente não gosto nele é a forma como ele desenvolve seus textos. Eu não consigo ver nada novo, nada que realmente faça merecer todo esse sucesso.

Parece que simplesmente estou lendo um Douglas Preston ou Lincoln Child, só que piorado.
*(esses ultimos alias, são maravilhosos).

Sinceramente, se não tivessem dado todo o marketing pelo quesito religioso, acho q ele nao seria esse sucesso todo.

Luciane Rangel disse...

huahuahua... Acho que o Dan é o autor mais 8 ou 80 que conheço. Até mesmo a crítica, ou enche de elogios ou detona rs

Mas eu adooooooro ele! *___*

Bjos, meninas! Obrigada pelas opiniões! =)

nelsonsadalla disse...

Bem,já li Simbolo perdido já faz um tempo...Mas independente de criticar o escritor por suas polêmicas prefiro julga-lo pelo que de fato interessa, a diversão que seus livros proporcionam. Como mencionado,SP prende o leitor e mesmo com certa previsibilidade quase ao fim do livro me senti instigado a prosseguir (o mesmo não aconteceu com ponto de Impacto, que larguei no meio por puro tédio)e foi um ótimo livro. Poxa, quem critica Dan Brown porque esperava uma ter uma analise pscologica machadiana perde tempo e fala tolice. Simbolo Perdido é o que tem que ser: intigante e divertido.

Rafaela Rocha disse...

É o único livro do Dan Brown que ainda não li.

De todos o meu favorito é "Fortaleza Digital", mas os outros são ótimos. É questão de gosto mesmo =3

Acho que muita gente deve ter torcido o nariz quando viu que a história se passaria na capital do EUA, justamente por não imaginar o quão rica pode ser a arquitetura histórica do lugar.

Em resumo: eis aí mais um livro para minha lista "Preciso ler imediatamente"

BJS LUCY

Suellen disse...

Lu só você mesmo para escrever uma resenha do livro que eu quero ler e ainda não consegui encontrar por um preço bom ou ganhar de presente.

=D

Eu li os dois livros que você mencionou e adorei me fez passar a noite sem dormi de curiosidade. Eu adoro os livros de Dan...
Adorei a resenha e louca para ler.

Xero!

Paola Scorpio disse...

Esse enredo básico me fez lembrar um filme que vi tempos atrás...ual era mesmo?Lembro do Nicholas Cage, e... Ah, sim! Lembrei! A Lenda do Tesouro Perdido.

Eu não torceria o nariz por causa da capital americana, não. Tampouco por causa das questões religiosas. Mas, como tu mesma disseste, as histórias dele são todas idênticas: por um motivo ou outro, o Langdon deve resolver um mistério antigo que somente um excelente simbologista poderia resolver, em um prazo curtíssimo, com o auxílio de uma mulher linda. Entre os dois, pintará um clima de romance, mas essa relação não durará depois da solução do mistério. Tem também sempre algum personagem coadjuvante que parece querer ajudar, mas na verdade é o culpado de tudo. E um monte de outros coadjuvantes morrem desnecessariamente ao longo da trama.

Em resumo: um cara que escreve sempre a mesma coisa é um escritor que não evolui. E se não evolui, não merece toda essa atenção. Se eu quiser um best-seller pra matar o tempo, pego uma Marian Keyes da vida.

•*♥*• Sanzinha •*♥*• disse...

Luciane, sou como vc: AMO Dan Brown!
Já li esse livro e adorei! Acho que foi o livro dele que mais gostei até agora. E já que vc está no clima de investigações religiosas, leia Heresia. É um livro ótimo! Postei resenha dele no blog hoje.

Beijo grande!

Fábrica dos Convites disse...

Os livros que li do Dan Brown até agora estão muito bem cotados, mas este infelizmente ainda não li, apesar de ter certeza que gostarei como dos outros. Bjs, Rose;D

Ana disse...

Dos livros do Dan Brown li "Fortaleza Digital" e "Código Da Vinci".
Vou começar a ler "Ponto de Impacto". Estou com ele aqui.
Sabe, eu gosto da narrativa do autor... Tbm acho muito inteligente e curioso as simbologias, criptografias, enigmas etc., que ele costuma colocar nos livros que escreve. Acho que é isso que prende o leitor.
Qto às polêmicas, eu procuro não focar nisso.

Jesimiel disse...

Já li este livro e achei bem interessante. Além dele só li Anjos e Demônios, falta ler os outros.

Jesimiel
Caderno Repicado
http://cadernorepicado.blogspot.com/

Tiago M. Franco disse...

Na minha opinião Dan Brawn é um escritor que tem uma capacidade única de misturar factos reais com factos ficcionais. Gosto bastante dos seus livros, não é um dos meus autores preferidos, mas cada vez que lança um novo livro, gosto bastante de os ler.

Anônimo disse...

Ainda não li nenhum. ok ]








sofia
http://so-soline.blogspot.com

juliano cesar de oliveira disse...

Oi adorei.. muito obrigado, me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura e digite reverso...a capa do livro é linda ela traz o universo de fundo..abraços. www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?